scripts para funcionamento do site
Skip Navigation LinksHome > Governo > Símbolos Oficiais

Símbolos Oficiais

Brasão

Brasão do estado do Espírito Santo
O Brasão de Armas do Estado do Espírito Santo foi instituído por Decreto-Lei, em 24 de julho de 1947, e é obrigatoriamente impresso em todos os papéis oficiais do Governo do Estado.

O significado de seus componentes são:

Convento da Penha: maior monumento histórico e religioso do Estado. Nossa Senhora da Penha é padroeira do Espírito Santo;

* Ramo de café: representa o principal produto agrícola capixaba (desde 1850);

* Ramo da cana-de-açúcar: representa o principal produto agrícola do passado (até 1850).

* 23 de maio de 1535: dia de chegada de Vasco Fernandes Coutinho ao Espírito Santo e início da colonização do solo espírito-santense;

* 12 de junho de 1817: dia do fuzilamento, de Domingos José Martins, herói capixaba que visava a independência do Brasil de Portugal;

* Três estrelas: representam os estados vizinhos (Bahia, Rio de Janeiro e Minas Gerais).

Bandeira

Bandeira do Espírito Santo
As cores oficiais do Estado do Espírito Santo são o azul e o rosa.

As cores da Bandeira são apresentadas como sendo as das vestes de Nossa Senhora da Penha, a padroeira do Estado.

Significados:

* azul (harmonia e suavidade)

* branco (paz)

* rosa (alegria e felicidade)


A legenda "TRABALHA E CONFIA" é de autoria de Jerônimo Monteiro, e foi inspirada na doutrina de Santo Inácio de Loyola, o fundador da Companhia de Jesus.

A legenda significa:
"Trabalha como se tudo dependesse de ti e confia como se tudo dependesse de Deus".

Hino Oficial

Música: Arthur Napoleão
Letra: Pessanha Póvoa
Data: 1894

I. Surge ao longe a estrela prometida, Que a luz sobre nôs quer espalhar; Quando ela ocultar-se no horizonte, Há de o sol nossos feitos lumiar.

II. Nossos braços são fracos, que importa? Temos fé, temos crença a fartar; Suprem a falta de idade e de força, Peitos nobres, valentes, sem par.

III. Salve, oh, povo espírito-santense! Herdeiro de um passado glorioso, Somos nós a falange do presente, Em busca de um futuro esperançoso.

IV. Saudemos nossos pais e mestres, A pátria, que estremece de alegria, Na hora em que seus filhos, reunidos, Dão exemplo de amor e de harmonia.

V. Venham louros, coroas, venham flores, Ornar os troféus da mocidade; Se as glórias do presente forem poucas; Acenai para nós posteridade! (estribilho)
Os direitos autorais de todo o material apresentado neste site são propriedade do Governo do Estado do Espírito Santo

Fale com o Governo

Envie dúvidas, comentários e sugestões