scripts para funcionamento do site
Skip Navigation Links

Belezas naturais preservadas no Espírito Santo

Fragmentos de florestas primárias, faixas de restinga e paredões rochosos de impressionar. O Espírito Santo abriga belezas de grande relevância ambiental. A variedade de ecossistemas e a diversidade de espécies da fauna e da flora destacam o bioma Mata Atlântica, presente em todo o território capixaba, como um dos mais ricos, mas também como um dos mais ameaçados de todo o mundo.
Para contribuir com a preservação da biodiversidade, oferecendo melhoria da qualidade de vida aos capixabas, o Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Iema) gerencia 17 Unidades de Conservação (UCs), totalizando mais de 56 mil hectares. Seis destas unidades são classificadas como Parques Estaduais. Esta categoria de UC tem como objetivo a preservação de ecossistemas naturais de grande importância ecológica e beleza cênica, mas possibilitando a realização de pesquisas científicas, atividades de educação ambiental e de turismo ecológico.
Um faixa contínua de restinga, um dos ecossistemas mais ameaçados da Mata Atlântica, é preservada em Guarapari. O Parque Estadual Paulo Cesar Vinha (1.500 ha) foi criado em 1994 e possui o nome do biólogo assassinado, em 1993, por atuar contra a extração de areia na região.
Seu território é circundado pela Área de Proteção Ambiental de Setiba (12.960 ha), que funciona como sua zona de amortecimento e visa conservar a região do arquipélago das Três Ilhas, onde foi registrada uma das maiores biodiversidade de ecossistemas marinhos do Brasil.
As unidades estaduais abrigam também cenas de cartões-postais capixabas. É o caso da Pedra Azul, em Domingos Martins, e da Cachoeira da Fumaça, em Alegre, que estão localizadas em Parques que levam o nome de seus pontos turísticos.
O Parque Cachoeira da Fumaça (161,5 ha) teve sua área ampliada em fevereiro de 2009, quando a queda d’água de mais de 144 metros foi integrada ao seu território. Já o Parque da Pedra Azul (1.240 ha) encanta por suas formações rochosas granito e gnaisse e por suas piscinas naturais, cujo acesso é feito por meio de escalada.
O Parque de Itaúnas (3.481 ha), em Conceição da Barra, abriga restingas, mangues e fragmentos florestais em extinção no Espírito Santo como as matas de tabuleiro. Outro destaque é a extensão expressiva do rio Itaúnas, que passa no interior da unidade, e a mais representativa região de alagados do Espírito Santo.
A unidade atrai visitantes de todo o país em virtude de suas praias e, principalmente, dunas, que ainda escondem resquícios da antiga Vila de Itaúnas soterrada pela areia na década de 70. A praia do Riacho Doce tornou-se famosa em todo o Brasil por seu aspecto preservado e suas águas quentes.
Uma atração à parte são os seus 23 sítios arqueológicos, locais de concentração de vestígios de assentamentos humanos pré-históricos como pedras lascadas, cerâmica indígena e diversos artefatos da época da colonização do Brasil.
E no município de Castelo, conservando consideráveis fragmentos florestais, há ainda os Parques Estaduais de Mata das Flores (800 ha), onde há presença de mata em estágio primário, e de Forno Grande (730 ha), que abriga o pico de Forno Grande.
Mais informações sobre as Unidades de Conservação gerenciadas pelo Iema no site Mais informações sobre as Unidades de Conservação gerenciadas pelo Iema no site www.meioambiente.es.gov.br.

Fale com o Governo

Envie dúvidas, comentários e sugestões